Rábano picante, origem botânica

Esta planta pertence á família da mostarda e teve origem na Ásia Ocidental. Daí se estendeu até à Europa Central e do Norte. No século XII foi uma planta muito usada para tratar vermes intestinais.
Esta planta cresce até 1 m de altura no primeiro ano e no ano seguinte produz rebentos que podem atingir 1,5 m de altura. Produz flores aromáticas em cachos soltos e as suas raízes são grossas e carnudas. São também ricas em vitamina C e óleos essenciais. O rábano picante, conhecido como mostarda do povo, contém ainda enxofre que lhe dá um travo especial.

Anthriscus cerefolium (Cerefólio), origem botânica

O cerefólio é uma planta oriunda do Cáucaso. Fpoi-se espalhando até ao Mediterrâneo e daí foi levada para o norte. Possui folhas aromáticas, que podem ser usadas como tempero e têm efeitos benéficos para purificar o sangue.
A planta não cresce muito e raramente ultrapassa os 65cm de altura. Tem folhas plumosas e o seus aspecto assemelha-se muito à rama das cenouras e da salsa.
Este arbusto é ainda rico em óleos essenciais e encontram-se com mais facilidade antes da planta florir.
 

Anthriscus cerefolium (Cerefólio), como plantar

Esta planta é bastante resistente ao frio, pelo que pode ser semeada no exterior, em Março. O cerefólio cresce bem em sombra parcial e desenvolve-se com facilidade em solo húmido e solto. Para o seu desenvolvimento saudável, necessita de nutrientes e não gosta de seca intensa, até porque o calor forte, afecta negativamente o seu sabor.
Quando a planta é semeada entre alfaces, funciona bem como repelente natural contra afídeos e caracóis.
Se deixar amadurecer as sementes, pode recolhê-las, para as usar no ano seguinte.

Anethum graveolens (Endro), como usar

Esta erva aromática é muito usada em culinária, em pratos de peixe, vegetais, molhos e saladas. É ainda muito usada para aromatizar vinagres e conservas de pepinos, pimentos ou cenouras.
O chá desta planta medicinal é um excelente calmante natural, bastante diurético, devendo ser tomado por quem padeça de pedra nos rins. Este chá tem ainda a propriedade de aumentar o leite materno, aquando da amamentação.
Os seus caules, em ramos decorativos ou jarras, fazem um belo trabalho. Plantado num jardim, é muito atraente pelas lindas umbelas amarelas.

Anethum graveolens (Endro), como plantar

Pode semear-se o endro no exterior, em Abril, mas pode voltar a plantar-se de três em três semanas , de forma a ter sempre à mão, esta erva aromática, sempre fresca e pronta a usar. Semear ou plantar o endro junto de cenouras ou pepinos, funciona como anti-pragas.
Esta planta precisa de um local com temperaturas amenas, protegidas do vento e do gelo. O seu aroma será melhor, quando as condições climatéricas forem favoráveis. Necessita ainda de solo rico em nutrientes, com boa rega, mas sem ser em demasia.
 

Althaea officinalis (Alteia), como usar

Nestas plantas jovens, as partes mais finas, cortadas apos pedaços, podem ser adicionadas a saladas.
As raízes da planta, sob a forma de chá, aliviam ataques de tosse e rouquidão, assim como digestões difíceis e gases intestinais. Este chá, é ainda um excelente calmante natural e quando utilizado em gargarejos, resolve inflamação de gargante provocada pelo fumo de tabaco e abcessos da boca. Na cosmética, é usada como máscara para amaciar a pele.
As suas flores são bastante decorativas e numa jarra em lugar fresco, aguentam~se frescas durante bastante tempo.

Anethum graveolens (Endro), origem botânica

Esta erva aromática vem sendo usada desde tempos remotos, como remédio caseiro, pelos Egípcios e Romanos. Pensa-se que seja oriunda da Ásia e que foi trazida para a Europa na Idade Média pelos Mongois e a partir daí se espalhou um pouco por todo o mundo.
É uma planta, muitas vezes confundida com o funcho, porque o seu aroma e aspecto são mesmo muito semelhantes. Pode atingir em fase adulta 1 m de altura e dos seus caules saem folhas pinuladas. As suas flores são amarelas de formato pequeno e formam umbelas grandes de onde saem as suas sementes. A planta é ainda rica em óleos essenciais.

Althaea officinalis (Alteia), origem botânica

A verdadeira alteia é oriunda da Europa Central, mas acabou espalhada um pouco por todo o lado. No início da sua sobrevivência era encontrada somente em locais húmidos e abafados, mas hoje em dia é plantada em qualquer tipo de solo. Os seus benefícios são conhecidos desde o tempo de Carlos Magno e as suas raízes são ainda hoje muito usadas para o fabrico de xaropes para a tosse.
A planta pode atingir os 2 m de altura e os seus caules são divididos. As folhas são grandes e têm a forma de um coração. As suas raízes são longas e podem chegar aos 50 cm de comprimento. As flores podem ser brancas ou violeta.

Althaea officinalis (Alteia), como plantar

A alteia para se desenvolver convenientemente, necessita de solo com bastante profundidade, em local solarengo e húmido. Necessita de nutrientes com alguma regularidade.
As plantas já mais antigas, podem ser divididas, porque desenvolvem com relativa facilidade. Quando opta por comprar plantas jovens, faço sempre na Primavera.
Para que a alteia cresça saudável, é importante que a regue frequentemente, especialmente nos meses mais quentes. De salientar que a planta deverá ser podada no final do Outono.
As raízes devem ser retiradas durante o Outono também para efeitos medicinais.

Milefólio, como plantar

O milefólio é um arbusto que não necessita de grandes cuidados, devendo somente escolher uma terra seca, enriquecida com alguns nutrientes, em canteiros onde o sol incida directamente , ou parcialmente à sombra. Não se desenvolve em terra muito molhada.
Deve ser cultivado na Primavera directamente na terra ou semeado no interior. É de extrema importância saber que nunca se devem mover os arbustos de um lado para o outro enquanto estiverem a florir.
O nome milefólio, significa mil folhas  e tem origem nas suas folhas delicadamente divididas.